quarta-feira, 9 de abril de 2008

DIFERENÇA

Photobucket
Aquilo que é secreto
à tua beira
e longe de ti se torna
tão corrente
.
Aquilo que é vulgar
longe de ti
mas se estás perto
se torna tão diferente
.
Aquilo que é mistério
indecifrável
se te aproximas até à minha
cama
.
E que se torna
raivosamente instável
se por acaso não dizes que me amas
.
Aquilo que é segredo
se o não escutase a tua beira fica
desvairado
.
Maria Tereza Horta
Photobucket

Um comentário:

© efeneto disse...

Sento-me nesta cadeira
No meio da sala
No meio do nada

Penso nos passos que dou contra o tempo
Os olhos que baixo por causa do vento

Vento que me toma os sonhos cálidos e os pinta de vermelho
Sangram lágrimas sem choro
Sem voz
Murmuram segredos

Desenham-se-me no rosto esses esboços do silêncio
Esses que apago e esborrato
E de novo se pintam em telas contra a minha vontade

Rasgo as folhas de papel em branco
Queimo os lápis de madeira que insinuam escravinhices

Dos meus não ditos não há-de falar
Deixem-me sentir, aqui, a dor vermelha de não saber amar
Essa condição de ignorante eterno
Para sempre um boémio nos lençóis alheios...
Frios, gélidos...
Sem sabor nem cheiro...
Ausentes na minha vontade...
Amargos

Aquecem apenas esta minha pele que arrefece

Pensar que um dia me podia aquecer no leito dessas desconhecidas sem rosto...


Que distraído sou...
Pois estava-me a esquecer de desejar
Um fim-de-semana com muita amizade dentro