terça-feira, 26 de fevereiro de 2008

AMO-TE PORQUE NÃO SEI PORQUÊS

Photobucket
Amo-te porque não sei porquês,
num quanto que só sei que não sei quanto.
Amo-te no duplo do que vês
e enquanto assim não vês, amo no enquanto.
.
Amo-te na calma e no espanto
de que não mais assim ame talvez.
Amo-te de sempre e em todo canto que exista,
que existiu ou não se fez.
.
Amo-te sem quandos, quais e quês,
sem se, sem todavia e sem porquanto.
Amo-te sessenta dias/mês.
.
E em cada santo dia e dia santo,
amo-te em todos de uma só vez
e em um de cada vez amo outro tanto.
.
Antoniel Campos
Photobucket

Um comentário:

efeneto disse...

Queria ter sido um príncipe
Desencantado de alguém
Queria uma paixão passageira
Um amor delinquente
A total desilusão do depois.
Queria ser o sonho frustrado
O homem errado
Queria não ser o alguém que conquista
Pela palavra bonita.
Queria apenas que o seu fim-de-semana
Fosse aquilo que sonha ser.

Um beijo de amizade.