terça-feira, 22 de setembro de 2009

DESCOMPASSO DE UMA MULHER



Me querem mãe
...e me querem fêmea.
.
Me fazem omissa
...e me cobram participação.
.
Me querem líder
... e me fazem submissa.
.
Me impedem de ir
... e me cobram a busca.
.
Me enclausuram nas prendas do lar
... e me cobram conscientização.
.
Me podam os movimentos
... e me querem ágil.
.
Me castram o desejo
... e me querem no cio.
.
Me inibem o canto
... e me querem música.
.
Me apertam o cinto
... e me cobram liberdade.
.
Me impõem modelos, gestos, atitudes e comportamentos
... e me querem única.
.
Me castram, me podam, falam e decidem por mim
... e me querem plena e absoluta.
.
Que descompasso!

(Eu desconheço a autoria desta poesia, mas a acho sensacional.Pesquisei na Internet mas não achei a autoria, que deve ser de uma mulher muito sensivel. Quem souber, agradeço se me informar, para que eu dê o devido crédito.)
Photobucket

2 comentários:

Sylvia disse...

Que poema absolutamente genial e verdadeiro!

Ana Lúcia Porto disse...

Oi Sil,

É um poema para se pensar mesmo...
Essa deve ser a pior escravidão que uma pessoa pode sofrer, se submeter totalmente a um semelhante.

Beijos e lhe aguardo para tomarmos um café e batermos um papinho juntas, especialmente, por eu estar retornando à blogosfera...,
Ana Lúcia.