quarta-feira, 7 de outubro de 2009

MAL SECRETO

Se a cólera que espuma, a dor que mora
N’alma, e destrói cada ilusão que nasce,
Tudo o que punge, tudo o que devora
O coração, no rosto se estampasse;
.
Se se pudesse o espírito que chora
Ver através da máscara da face,
Quanta gente, talvez, que inveja agora
Nos causa, então piedade nos causasse!
.
Quanta gente que ri, talvez, consigo

Guarda um atroz, recôndito inimigo,
Como invisível chaga cancerosa!
.

Quanta gente que ri, talvez existe,
Cuja a ventura única consiste
Em parecer aos outros venturosa!
.
Raimundo Correa

Photobucket

5 comentários:

Adolfo Payés disse...

Hermoso poema.
es un gusto inmenso visitarte..

Un abrazo
Saludos fraternos de siempre..

Sylvia disse...

Grande poema. Tantag ente sorri e diz palavras doces e depois apunhala pelas costas...

petrucian disse...

gostei da imagem.
você é lesbica?
perdão mas fico curioso com o quanto voce cultua o feminino.
eu era assim até conhecer que os meus semelhantes não eram tão semelhantes assim.
hoje não cultuo nenhuma coletividade nem de genero nem de qualquer outra coisa, é a conclusão lógica que todos chegam.

petrucian disse...

voce escreve muito bem, e reflete o que muitos homens e mulheres sentem. parabens.
bjs.
sou um seguidor seu.
vou postar algo pra voce, quando postar eu mando um comentario.

Sil disse...

A título de esclarecimento, eu não sou lésbica.
Sou Heterossexual.
Adoro homens!!!!
Utilizo muito a imagem feminina, pois é estéticamente mais bonita para ilustrar a poesia, em geral.